O assédio moral, mais do que apenas uma provocação no local de trabalho – como sarcasmo, crítica, zombaria e trote –, é uma campanha psicológica com o objetivo de fazer da vítima uma pessoa rejeitada. Ela é submetida a difamação, abusos verbais, agressões e tratamento frio e impessoal.
Veja Outras situações:

assedio moral e sexual Instruções confusas e imprecisas ao trabalhador;

Dificultar o trabalho;

Atribuir erros imaginários ao funcionário;

Exigir trabalhos urgentes sem necessidade;

Sobrecarga de tarefas;

Ignorar a presença do colaborador, ou não o cumprimentar ou, ainda, não lhe dirigir a palavra na frente dos outros, deliberadamente;

Fazer críticas ou brincadeiras de mau gosto em público;

Impor horários injustificados;

Retirar-lhe, injustificadamente, os instrumentos de trabalho;

Agressão física ou verbal, quando estão sós o assediador e a vítima;

A lei 224/01 introduziu o artigo 216-A no CP, tipificando o assédio sexual como crime. A pena prevista é de detenção de um a dois anos, aumentada de um terço se a vítima for menor de idade.

Assedio Moral e sexual em Empresas

Umas das questões voltadas ao meio corporativo que mais tem sido comentada atualmente são os casos de assédio moral ou sexual dentro das empresas.

Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho) 52% das mulheres economicamente ativas no mundo já sofreram assédio sexual no trabalho. Porém, devido à ausência de provas, as condenações nem sempre acontecem. A contratação de um detetive empresarial pode ajudar a empresa a solucionar este problema.

Devido às técnicas e equipamentos especiais utilizados, quando os proprietários, líderes da empresa ou empregados suspeitam ou recebem queixas de casos de assédio sexual ou moral, a contratação de um investigador pode ser a solução para colher provas.

O detetive contratado pode se infiltrar na equipe, acompanhar o relacionamento dos colaboradores e, por meio dos mais modernos métodos de investigação, recolher as provas. Dentre os métodos utilizados, destacam-se:

  • Monitoramento de canais de comunicação utilizados na empresa;
  • Gravação de áudios e vídeos com câmeras e gravadores escondidos;
  • Fotografias;
  • Relatórios elaborados pelo profissional com base em suas observações.

A partir deste material, caso haja a comprovação do assédio, o contratante poderá tomar as devidas providências. Afinal, contra provas não existem argumentos.